Seu negócio está preparado para o mundo das APIs?

Plataforma Digital

Seu negócio está preparado se sua plataforma tem flexibilidade para mudar rapidamente compondo novas soluções conectadas por APIs.

Transcrição do Vídeo

Aqui é Valdinei Santana.  Eu sou consultor, mentor e conselheiro em novos modelos de negócios. Essa transcrição contém ajustes, correções e melhorias em relação ao conteúdo original em vídeo.

As empresas em transformação estão em um ambiente que muda em velocidade muito grande. Uma das competências que as precisam precisam desenvolver é a agilidade para se adaptar rapidamente às mudanças do ambiente. A agilidade global pode ser potencializada por tecnologias que habilitam a flexibilidade para compor vários negócios.

Quando menciono compor negócios, quero dizer o seguinte: imagine uma empresa que tem um portfólio muito grande com várias unidades de negócios, vários tipos de produtos e quer se desfazer de um negócio. É necessário desenvolver a habilidade de tirar esse negócio do portfólio. 

Ao mesmo tempo que o grupo pode querer trazer um novo negócio para o portfólio. Fazendo um M&A (Merge & Acquisition). Essa agilidade para se desfazer de um negócio ou trazer novos negócios para estar alinhado com o propósito ou o novo posicionamento da organização é fundamental.

Plataforma e Agilidade

A tecnologia pode habilitar esse tipo de flexibilidade e agilidade. Eu estive no MIT 4 vezes em 4 anos de 2010 e 2013. No MIT Sloan um dos conceitos importantes para modelagem de  negócios digitai é sobre como preparar a organização para inovar de forma contínua.

Um dos meus aprendizados no MIT foi a utilização de Building Blocks como instrumentos para construção de plataformas digitais. Os Building Blocks são blocos de montar, ou de uma forma mais leiga podemos pensar em blocos de Lego. 

Os Building Blocks são como peças de lego para montar e construir o que a sua imaginação criar. No caso de negócios, os building blocks ajudam a compor e viabilizar um novo negócio digital que foi imaginado.

Blocos de Hardware Vs Blocos de Software

O building blocks mudaram muito nas últimas décadas. Quando comecei a trabalhar com informática, na década de 90, existia uma diferença muito grande entre a capacidade de conexão quando comparamos os blocos de hardware e de software.

Quando analisamos hardware na década de 90, época que entrava no Brasil os primeiros PCs (computadores pessoais). Já naquela época era possível, por exemplo, usar os slots de uma placa mãe para encaixar outros tipos de placa como placa de rede, placa de vídeo,  placa para saída serial, placa para saída paralela.

Se fosse necessário trocar, bastava remover e trocar por outra, inclusive, de outro fabricante. Com hardware, isso já era possível na década de 90. Mas, com com o software, isso não era possível. Naquela época, começou-se a construir os sistemas que hoje fazem parte do legado das empresas.

Na década de 90, muitos sistemas cliente-servidor estavam substituindo as soluções de mainframe. Mas conexão entre software não tinha. Os produtos de software da década de 90 eram monolíticos e pretendiam ser a solução “do todo” e não se integrava com quase nada. A camada de software não tinha essa integração ou conexão.

Ao longo dos anos e ao longo das décadas, essa conexão no mundo de software começou a se profissionalizar e gerar mais flexibilidade.  Flexibilidade no mundo de software que já tínhamos no mundo de hardware. Essa flexibilização passou por vários protocolos e tipos de tecnologias que não vou citá-los aqui.

O mundo das APIs

A tecnologia que hoje está vigente e é muito flexível é formada por APIs (Application, Program Interface). APIs são serviços que você pode disponibilizar na solução para fornecer e consumir informações. As APIs podem ser criadas em soluções do legado, mas com maior dificuldade. As novas soluções em cloud das BigTechs (IBM, SAP, Oracle, Microsoft, Google, Facebook) já vem com várias APIs fáceis de entender, consumir e conectar com outras soluções.

Nos sistemas legados a dificuldade de criar APIs é maior porque, normalmente, são sistemas de mais de 10 anos. Mas não é impossível. Quando analisamos a plataforma digital como blocos de construção (building blocks) integrados, pode-se abstrair que a plataforma digital da empresa.

Quando analiso startups, eu procuro avaliar como building blocks, ou seja, como blocos de montagem que eu posso trazer encaixar na minha plataforma para resolver algum problema. Ou seja: partindo de um  problema de negócio, podemos utilizar a mineração de startups para escolher algumas startups que possam nos ajudar fazendo uma prova de conceito, checar se a startup resolve o problema. Se revolve, podemos deixar plugada essa solução.

Se, no futuro, mudarmos de ideia, vamos testar a flexibilidade da mudança. Sacar fora o bloco, com agilidade, e colocar outro no lugar. Essa agilidade é o que se deseja chegar a nível de negócios. 

Como ter vários vários negócios, partindo de uma única plataforma, ou da composição de vários building blocks e desenvolver agilidade para remontar a plataforma digital.

A realidade atual do ambiente de negócios é complexa. Não é simples como está nesse desenho. 

Arquitetura Híbrida

Na realidade temos muitos sistemas on premise e sistemas cloud. Cada vez mais aumentando o número de sistemas cloud até que chegue o momento em que os sistemas legados on premise atuais deixem de existir. Não é a realidade atual na maioria das empresas.

Na maioria das empresas encontramos as chamadas arquiteturas híbridas porque contém uma parte on premise e uma parte cloud.

Com o tempo a parte cloud aumentará, incluindo cada vez mais as APIs que aumentam a capacidade de conexão, flexibilidade e agilidade…

Até que se tenha uma nova revolução tecnológica e um novo paradigma para se trabalhar. Mas com o paradigma atual já é possível ter negócios que escalam muito rápido. 

A informação digital não requer (grande) espaço (físico) para armazenar e está sempre disponível.

Uma solução digital pode ser reutilizada em níveis (quase) infinitos e níveis de crescimento muito maiores do que as soluções do mundo analógico.

Se você não hackear o seu próprio negócio, vai surgir um concorrente digital e conquistar o seu cliente.

Para saber mais

MIT Sloan – CIRS: Center for Information Systems Research

THE DIGITAL OPERATING MODEL: BUILDING A COMPONENTIZED ORGANIZATION

Tags da Empresa Digital

Adicionar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Avatar

Valdinei.Santana

Destaca-se como pesquisador, consultor de negócios, palestrante, conselheiro, mentor e facilitador em NOVOS MODELOS DE NEGÓCIO.

Já prestou consultoria para melhorar a gestão em empresas como BOTICÁRIO, FORD, MARCOPOLO, RANDON, RENAULT, TIGRE, VIVO, VOLVO entre outras. Foi reconhecido pela SAP, empresa líder mundial em aplicativos para gestão, como Visionary Member.

Nos últimos anos Valdinei Santana tem atuado como ponte entre startups e empresas em transformação.

É mentor em várias startups que desejam ser scale-ups aumentando a tração de vendas e o nível de governança de gestão. Também é consultor em empresas em transformação na criação e teste de novos modelos de negócios digitais.

Atua em parceria com empresas de consultoria, gestão, design, inovação e empreendedorismo como: Distrito, Haze, SEBRAE, HiMarket, Evolve MVP, Founder Institute, entre outras...

#BusinessHacking #BMI #NovosModelosDeNegocio