Por que a padronização está cedendo espaço para a inovação contínua?

Inovação Contínua

O mindset mudou para inovação contínua: de excelência operacional para experiência do cliente; de cadeias de valor para rede de valor; de resolver problemas para superação de desafios que melhoram a experiência do cliente.

Transcrição do Vídeo

Aqui é Valdinei Santana. Eu sou consultor, mentor e conselheiro em novos modelos de negócios. A transcrição do vídeo contém correções, ajustes e uma reorganização das ideias originais do vídeo.

Nos últimos 20 anos,  eu tenho acompanhado a evolução das práticas de gestão nas empresas. Procurei destacar aqui as melhores práticas de 2000 a 2010 diferenciando das melhores práticas da década de 2010 até 2020. Não há dúvidas de que estamos vivenciando o “novo normal” e essa era será marcada pela inovação contínua.

Melhoria Contínua

Se você visitasse qualquer empresa logo depois da virada do milênio e conversasse com diretores e presidentes de empresas sobre essas práticas de padronização e melhoria contínua, certamente, estaria muito alinhado com o modelo mental da época.

O foco daquela década era a padronização e a melhoria contínua com o foco na excelência operacional para resolver problemas nos processos de negócios.

A forma de se fazer isso, era procurar entender as necessidades e os requisitos dos clientes para melhorar o processo e então produzir melhores produtos. A rotina era fazer uma melhoria e padronizar o processo com políticas, procedimentos e instruções de trabalho formalizados. Uma burocracia era criada para forçar a conformidade (compliance) com os com os padrões estabelecidos.

Quando surgia um problema de desempenho ou alguma necessidade de melhoria, utilizava-se um ciclo de melhoria: PDCA ou DMAIC. Depois da melhoria, nova padronização e assim por diante: padronização e melhoria contínua com foco nos processos internos da organização. O foco estava na excelência operacional. Algumas empresas se destacavam por colocar o foco “no cliente” priorizando o relacionamento. Outras também inovavam em seu produtos e serviços.

Inovação Contínua

Nos últimos 10 anos  não é mais o foco “no cliente”, mas sim… o foco “do cliente” se colocando na perspectiva do cliente para então inovar em produtos e serviços. Muitas empresas continuam com a mentalidade anterior. Eu diria que, nesse momento, a maioria continua com a mentalidade anterior.

No novo mindset, o processo e as melhorias da eficiência operacional cedem lugar a introdução de novos produtos (INP) ou serviços…Daí o motivo pelo qual as startups estão em evidência hoje. A startup é a evidência do desejo de transformar uma ideia em um novo produto/serviço. 

Quando tem-se um MVP (Produto Mínimo Viável) é possível fazer o teste e validação de mercado. Os testes iniciais você pode fazer com os clientes chamados early adopters, os adotantes iniciais. Você precisa mapear esses clientes porque eles são seus parceiros para co-inovação. A receita com o novo produto vai crescendo até o limite onde começa a fechar o ciclo de vida.

Em vez de esperar o concorrente lançar um novo produto ou serviço, o novo mindset sugere que você canibalize o próprio ou serviço. Como? Inovando no portfólio de produtos e serviços novamente. 

Novo mindset: Inovação Contínua

É um mindset completamente diferente. O primeiro com foco “no cliente” melhorando os processos operacionais. O segundo com o foco “do cliente” mudando a perspectiva, priorizando a experiência do cliente e os pontos de contato do cliente com o serviço.

O foco da década anterior era na otimização das cadeias de valor. Desde a extração do minério até a distribuição, no caso de uma cadeia automobilística. Otimizando a extração, as fábricas de componentes, a montadora e os processos internos das distribuidoras. O novo foco é diferente porque a velocidade do ambiente mudou radicalmente. A introdução de novas tecnologias está muito fácil. Tem muitas tecnologias que podemos combinar para melhorar a experiência do cliente. O foco sai da otimização da cadeia de valor e passa para a rede de valor.

A rede de valor não respeita a cadeia de valor, somente respeita a experiência do cliente. O que o cliente precisa? Vamos hackear essa rede de valor, independente de qual cadeia, para melhorar a experiência do cliente.

As melhores práticas atuais sugerem a combinação de novas tecnologias com os sistemas legados. Ou uma revolução completa dos sistemas. Nessa modernização de sistemas de informação, utiliza-se soluções e APIs das BigTechs (IBM, SAP, Oracle, Microsoft, Google, e outras grandes) combinadas com  startups e suas APIs. As APIs (Application Program Interface) são componentes muito importantes para a flexibilidade e agilidade na troca de tecnologia.

Ou seja, as empresas que crescem de forma exponencial vivem no limite do controle dos processos. Isso não significa que elas não façam padronização e melhoria continua. Mas o foco é outro. O foco é a experiência do cliente e a introdução de novos produtos e serviços. Primeiro atender ao cliente entregando valor, depois a adaptação no processo ficando atento para o momento em que será necessário inovar novamente canibalizando o próprio produto ou serviço. Ou seja: inovação contínua.

Se você não hackear o seu próprio negócio, vai surgir um concorrente digital e conquistar o seu cliente.

Para saber mais:

Design Thinking, Lean e Agile

Cliente oculto e foco “do” cliente.

Tags da Empresa Digital

Adicionar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Avatar

Valdinei.Santana

Destaca-se como pesquisador, consultor de negócios, palestrante, conselheiro, mentor e facilitador em NOVOS MODELOS DE NEGÓCIO.

Já prestou consultoria para melhorar a gestão em empresas como BOTICÁRIO, FORD, MARCOPOLO, RANDON, RENAULT, TIGRE, VIVO, VOLVO entre outras. Foi reconhecido pela SAP, empresa líder mundial em aplicativos para gestão, como Visionary Member.

Nos últimos anos Valdinei Santana tem atuado como ponte entre startups e empresas em transformação.

É mentor em várias startups que desejam ser scale-ups aumentando a tração de vendas e o nível de governança de gestão. Também é consultor em empresas em transformação na criação e teste de novos modelos de negócios digitais.

Atua em parceria com empresas de consultoria, gestão, design, inovação e empreendedorismo como: Distrito, Haze, SEBRAE, HiMarket, Evolve MVP, Founder Institute, entre outras...

#BusinessHacking #BMI #NovosModelosDeNegocio

Trending