A inovação aberta veio para ficar.

Inovação Aberta

A inovação aberta inclui forte conexão e parceria com o ecossistema com práticas inside-out (de dentro para fora) e outside-in (de fora para dentro). Neste vídeo, destaque para mudanças em processos de compras que evolui do tradicional para o crowdsourcing.

Transcrição

Aqui é Valdinei Santana. Eu sou consultor, mentor e conselheiro em novos modelos de negócios. Essa transcrição inclui correções, melhorias e ajustes no conteúdo original do vídeo.

Junto com a transformação que está acontecendo no mercado das empresas analógicas se transformando em empresas digitais também está acontecendo um movimento de mudança nas áreas de P&D ou mais atualmente “P&D&I”, ou seja: Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. 

P&D tradicional

As áreas de P&D que tradicionalmente eram fechadas, ou seja: os engenheiros, mestres doutores, cientistas trabalhavam dentro das áreas de P&D para desenvolver novas tecnologias e introduzir produtos e serviços inovadores no mercado. Os profissionais da inovação fechada trabalham dentro da organização gerando ativos de propriedade intelectual como patentes, por exemplo.

As áreas de P&D vêm evoluindo ao longo dos últimos anos. Cada vez mais melhorando a velocidade.  Mas, em muitos casos, chegou a um ponto limite de redução do ciclo de desenvolvimento de produtos. Neste momento do mercado, mesmo com os ganhos de velocidade que se conseguiu com a inovação fechada, já não é suficiente para dar conta de todas as mudanças disruptivas que estão acontecendo no mercado.

Inovação Aberta

No lugar da área de P&D fechada, que faz a inovação fechada, está surgindo a inovação aberta. Um novo jeito de fazer inovação muito mais conectado com parcerias no ecossistema. Os limites da organização tem muito mais pontos de contatos com o ecossistema. Na inovação aberta as parcerias com universidades, com startups e com outras organizações (públicas e privadas) crescem em importância.

Nas universidades, por exemplo, os cursos de graduação e pós-graduação incentivam TCCs (Trabalhos de Conclusão de Curso) em parceria com empresas na criação de startups que resolvem problemas reais do mercado.

Com as startups, uma série de POCs (Provas de Conceito) são realizadas utilizando práticas “outside-in” da inovação aberta. Realizados os experimentos, as hipóteses são verificadas se são válidas ou não. Após validação, se desenvolvem novos produtos e serviços que podem atender ao mercado atual ou para um novo mercado ou ainda originando uma spin-off.

Na inovação aberta, também existem as práticas “inside-out”. Começam dentro da organização com intra-empreendedorismo e conectam-se com parceiros do lado de fora da organização para co-criação e co-inovação e geram saídas atender o mercado atual, ou para um novo mercado ou ainda originando uma spin-off.

Diferenças entre Inovação Aberta e Fechada

A forma de se trabalhar inovação aberta é muito diferente da inovação fechada em vários aspectos.

Destaquei aqui dois aspectos: a questão do financiamento na inovação fechada tem, normalmente, um percentual da receita destinado a investimentos em P&D. Na inovação aberta existem fundos de venture capital (interno ou externo) com capital de risco. No portfólio de inovação aberta, vários experimentos recebem investimentos. Mas se um deles der certo com bom retorno, paga todos os outros investimentos incertos.

Outra diferença radical da  inovação fechada com a aberta estão nos processos de compras. Muitas inovações nas organizações são originadas nos processos de de compras que desenvolve parcerias estratégicas com fornecedores. Na inovação fechada, o processo de compras é burocrático: 3 cotações, condição de pagamento duras com 90 dias por exemplo, verificação de informações de balanço e saúde financeira, evidências da capacidade para fazer a entrega.

Na inovação aberta entram processos novos de crowdsourcing, ou seja: comprar da multidão quer sejam organizações parceiras, startups e buscando financiamentos no governo. O processo de crowdsourcing precisa ser muito mais flexível do que o processo de compras convencional. Precisa ser ágil e rápido para firmar parcerias, executar as provas de conceito (POCs) e os experimentos. 

De fato, com o modelo da inovação aberto é muito mais rápido para introduzir novos produtos, novos serviços e novos modelos de negócios

Se você não hackear o seu próprio negócio, vai surgir um concorrente digital e conquistar o seu cliente.

Para saber mais

Estudo de Caso de Inovação Aberta (Distrito)

Crowdsourcing (Endeavor)

Tags da Empresa Digital

Adicionar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Avatar

Valdinei.Santana

Destaca-se como pesquisador, consultor de negócios, palestrante, conselheiro, mentor e facilitador em NOVOS MODELOS DE NEGÓCIO.

Já prestou consultoria para melhorar a gestão em empresas como BOTICÁRIO, FORD, MARCOPOLO, RANDON, RENAULT, TIGRE, VIVO, VOLVO entre outras. Foi reconhecido pela SAP, empresa líder mundial em aplicativos para gestão, como Visionary Member.

Nos últimos anos Valdinei Santana tem atuado como ponte entre startups e empresas em transformação.

É mentor em várias startups que desejam ser scale-ups aumentando a tração de vendas e o nível de governança de gestão. Também é consultor em empresas em transformação na criação e teste de novos modelos de negócios digitais.

Atua em parceria com empresas de consultoria, gestão, design, inovação e empreendedorismo como: Distrito, Haze, SEBRAE, HiMarket, Evolve MVP, Founder Institute, entre outras...

#BusinessHacking #BMI #NovosModelosDeNegocio